O SISTEMA BRASILEIRO INDENIZA O DANO MORAL? Dano ao moral e dano à moral. O moral e a moral.

É bem verdade que o mundo jurídico ainda não reconhece o moral como patrimônio imaterial passível de tutela independentemente da moral.

O moral identifica-se com o ânimo interior, relaciona-se com a energia vital e a auto-estima, e é o conjunto de condições subjetivas que faz a pessoa ter disposição para enfrentar os desafios da vida social, considerando-se a si mesma pessoa merecedora de respeito e de acesso às instituições que foram construídas para todo o gênero humano.

Difere da moral, que relaciona-se com o conceito social sobre o indivíduo, isto é, o conceito que a sociedade faz sobre o indivíduo e o valor que a sociedade lhe atribui, fundamental para os juízos diretos e indiretos sobre quais as portas que devem ou não ser abertas para aquela pessoa.

A moral é afetada por tudo o que é externo à pessoa, ou seja, por tudo o que a desmerece diante dos homens, como uma negativação no SPC, por exemplo.

O moral é afetado por tudo o que rouba a energia vital do indivíduo, e é grandemente lesada pelos eventos que fazem-no sentir-se incapaz ou desmerecedor das oportunidades e bens existentes no mundo, consideradas tanto os materiais quanto os imateriais.

É o moral que move o homem a acreditar que pode ser um advogado ou que seu lugar no mundo é ser apenas um mendigo.

É o moral que é destroçado quando se é injustiçado, quando a TNL o faz de trouxa, quando se é cobrado um valor absurdamente injusto, quando se depara com um sistema monolítico e desonesto, que não é feito pensando no cidadão, mas sim no lucro, que explora os próprios erros como forma de arrancar mais dinheiro dos cidadãos e que calcula uma matemática maldita segundo a qual é mais lucrativo indenizar os poucos consumidores que reclamam no Judiciário do que contratar empregados para evitar lesões ao cidadão.

É o moral que é grandemente vilipendiado quando a pessoa descobre que as chineladas que tomou de sua amada mãe para aprender valores morais (não roubar, não mentir, não prejudicar) na verdade fizeram desta pessoa um fraco, pois vive-se num mundo de vale-tudo, onde moral não vale nada!

É o moral que é minado quando perdem-se horas tentando resolver um problema num sistema feito para não resolver.

Mais, a única moral que a sociedade tem valorizado não é a moral propriamente dita, mas sim o crédito financeiro com outro nome. Ora, é um verdeiro eufemismo dizermos que quando uma pessoa tem seu nome incluído no SPC indevidamente será indenizada por “danos morais”; na verdade será indenizada por ter seu crédito comercial maculado, crédito esse fundamental para a vida na sociedade de consumo. A moral, bem, a moral não tem muito a ver com essa indenização, pois em nossos dias fomos todos treinados para desconfiarmos, desacreditarmos mesmo, de que alguém tenha “moral”, a começar pelas autoridades – políticos, professores, servidores, etc – e chegando até aos pais de família, núcleo da sociedade. Não existe, portanto, moral indenizável.

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s